Instituto marca presença na 12ª Conferência Europeia de Emprego Apoiado


O Instituto Ester Assumpção foi um dos participantes da 12th EUSE Conference (12ª Conferência Europeia de Emprego Apoiado, em português), com o tema “Ampliando a diversidade por meio do Emprego Apoiado”, que aconteceu nos dias 26, 27 e 28 de maio em Lisboa, na Fundação Calouste Gulbenkian. Por meio do encontro foi possível compartilhar as principais práticas da metodologia desenvolvida por organizações de países como Brasil, Portugal, Espanha, França, Itália, Irlanda, Estados Unidos, Argentina, dentre outros. Confira a entrevista com o Superintendente do Instituto Ester Assumpção, Oswaldo Barbosa, que conta mais detalhes.

Oswaldo, quais são as novidades trazidas pela conferência?

Participar da Conferência Europeia de Emprego Apoiado foi uma oportunidade para perceber que a metodologia é um movimento internacional que se fortalece a cada dia para promover mais qualidade de vida para as pessoas com deficiência. Na Europa, a metodologia é considerada uma estratégia capaz de proporcionar o fortalecimento do paradigma da inclusão social, apesar de alguns países europeus acreditarem e desenvolverem as denominadas “oficinas protegidas”. Em relação às novidades podemos destacar o financiamento público de programas de Emprego Apoiado, que é a principal fonte de recursos na Europa; o aperfeiçoamento e melhoria da legislação; a realização de eventos com empresários para fomentar parcerias com o foco na inclusão; o desenvolvimento de ferramentas de gestão para melhorar a aplicação da metodologia; e o desenvolvimento de ações de integração da Associação Europeia de Emprego Apoiado.

Como será o Emprego Apoiado daqui para frente para o Instituto Ester Assumpção?

A expectativa é que a metodologia seja mais divulgada para que possamos colaborar com a criação de uma legislação nacional que regulamente e fomente o desenvolvimento do emprego apoiado para incluir mais pessoas com deficiência no mercado de trabalho. Para o Instituto Ester Assumpção, é fundamental a participação das associações, das empresas e do governo no processo de debate e troca de experiências sobre como a metodologia.

Quando o assunto é inclusão, considerando o cenário brasileiro, quais são os principais desafios a serem enfrentados?

A participação na Conferência Europeia foi uma oportunidade para poder verificar que o Emprego Apoiado passa a ser uma filosofia de trabalho internacional, porque com a metodologia somos incentivados e desafiados a buscar estratégias verdadeiramente inclusivas para as pessoas que possuem menor grau de capacidade para o trabalho. Assim, a discussão não é mais sobre se a pessoa tem ou não algum tipo de deficiência, a questão agora é identificar quais são os apoios necessários que as pessoas precisam para que elas possam desenvolver atividades produtivas em espaços totalmente integrados. O desafio agora é mostrar as experiências exitosas para que mais organizações, pessoas, familiares, empresas e governantes também percebam que o emprego apoiado representa uma nova forma de pensarmos a inclusão produtiva. Desta maneira, não há espaço mais para expressões como: não há pessoas com deficiência para o mercado de trabalho, a minha empresa não tem acessibilidade, eu não posso instalar um elevador, dentre outras desculpas existentes no ambiente empresarial.

Descrição da imagem: Há dois palestrantes falando para várias pessoas, que os observam.

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

© INSTITUTO ESTER ASSUMPÇÃO

Rodovia Fernão Dias - BR 381 - KM 494, Sala 01 - Jd. Petrópolis, Betim/MG.

CEP: 32.655-005

Telefone: (31) 3592-1011

  • Facebook - White Circle
  • Twitter - White Circle
  • YouTube - White Circle
  • LinkedIn - White Circle